terça-feira, 24 de agosto de 2010

Fingerboard tapes: quem não cola não sai da escola



Okays, vou falar de um assunto meio polêmico aqui, hein? Provavelmente vão querer me crucificar, difamar e colocar pra ouvir calypso e sertanejo por duas horas seguidas (por favor, não façam isso, tenham piedade!). Mas vamos lá.

Acho que uma das maiores dificuldades em se aprender a tocar violoncelo está na mão esquerda. Ah, quer dizer então que você manda ver no arco, sabe fazer todos os golpes? Grande coisa. Isso não vai adiantar nada se a sua mão esquerda for burra.

E a minha é.

Talvez pelo fato de não ter começado a tocar violoncelo ainda criança, talvez pelo fato de ter tocado baixo elétrico durante muito tempo... a verdade é que a minha mão esquerda é burra demais. Desde que passei pro violoncelo, então, sempre tive muita dificuldade em acertar a entonação. Vez ou outra, saía alguma nota desafinada. E eu notava e ficava muito puto com aquilo tudo.

Olha a diferença...


Então fui pesquisar na intertet dicas, métodos, enfim, algo que me pudesse ajudar a corrigir esse problema.

Descobri que alguns professores, ao ensinar os primeiros passos de cello à crianças, costumam utilizar um método de colar fitinhas coloridas (tapes) no braço (fingerboard) do instrumento. Assim, a criança memoriza com maior facilidade a correta posição da mão esquerda e, ao depois, quando houver mais segurança, pode-se simplesmente retirar as fitas do braço.


Agora vai...


Não contei conversa e enchi o braço do meu cello de fitinhas. Daí, quando cheguei no dia seguinte pra aula, tive que aguentar piadinhas do meu professor de cello, "blábláblá", "você nunca vai aprender desse jeito", "tu vai se acostumar a ficar olhando pro braço e não é pra ser assim", "mimimi", etc. De fato, vi que tem muitos professores que condenam o método. Mas, em verdade, eu vos digo: tô nem aí. Não preciso ser o maior violoncelista do mundo, só quero tocar minhas músicas e tirar um som minimamente decente do meu instrumento.

Aí então vai um conselho de amigo: sinta-se à vontade para experimentar e buscar o método que mais se encaixa a sua necessidade e ao seu jeito de tocar. Nem todo mundo gosta do método "Suzuki", por exemplo. Busque, portanto, aquele de seu gosto. A sua forma de tocar não precisa ser igual à de todo mundo. Afinal, não é porque é diferente que é errado, certo?

P.S.: tá massa o novo layout, hein? :D

14 comentários:

Cecil disse...

Realmente este post está engraçado...e concordo que cada pessoa deva procurar a melhor forma de aprender. essasmanias de certos professores dizerem "assim você nunca vai aprender", etc etc, é pura ditadura. E medo de experimentar. Tem que fazer o melhor que puder, e nem sempre o melhor é o canônico.

Tami-chan disse...

Uhauhauahuahua

Adorei! De fato, fez sentido... A minha sorte é que meu professor é totalmente a favor das fitinhas. E não acho que elas viciem... Hoje em dia quase não preciso mais olhar para o braço do meu cello.
E não se preocupe, ninguém seria tão cruel ao ponto de obrigá-lo a escutar Calypso xD

Chico Mouse disse...

Hahaha! Pois é, meninas... meu professor é meio "xiita" pra essas coisas. Mas sigo firme com minhas fitinhas!

Daqui a algum tempo, se sentir mais segurança, vou tirar. :P

Andreas disse...

hehehe

É fato, é fato... Também sou adepto das fitinhas... rs Tanto que, por um booom tempo eu as usei, mesmo minha profª na época insistindo para deixá-las de lado após um tempo... rs

Vai uma dica para quem não quiser usá-las; tentem usar fitas bem finas de fita isolante preta. Assim, acabam se orientando via "sensação tátil" e não pelo visual... Ajuda bastante!

Mas de qualquer forma... Bem.. quem aqui está realmente pensando em uma execução técnica perfeita? rs Ao menos, eu não. O importante é tocar... rs Depois, a prática tende a levar a uma execução mais ou menos aceitável... rs

Andreas disse...

Quanto ao layout, legal que gostou! aos poucos, a coisa vai saindo... :)

Tami-chan disse...

Uahuahuahauhau

Olha... Eu não sei quanto a vocês, mas eu sou péssima!
Snif, snif
Droga, desisto do meu sonho de virar cellista...
Vou vender pastel na rodoviária T-T

Assim... Eu realmente não vejo nada de mal nas fitinhas, e gostei muito da dica do Andreas. Acho que vou falar com meu professor sobre isso depois... Mas que elas de certa forma viciam, elas viciam! Sei lá... É tudo uma questão de costume...

Lucimere disse...

boa!? concordo plenamente. O prof de desenho do meu sobrinho disse a ele, que o ombro é que faz o movimento do desenho e não o punho como o meu sobrinho está acostumado a fazer.. daí disse a ele: faça como vc sabe, o resultado será o mesmo. Boa sorte!

Cecil disse...

Bem, também não acho que isso deva virar uma sequência de desprezo pela experiência e conhecimento dos professores... não necessariamente o resultado será o mesmo. O professor sabe o que está dizendo na maior parte das vezes.. mas acredito que as fitinhas aceleram o processo de decorar as posições. Não que seja impossível aprender sem elas. É um bom remédio para os impacientes. :)

Andreas disse...

Ah não não,

É inegável que um bom professor faz toda a diferença, não dá para desprezar a experiência como bem disse a Cecil..

Acho que é mal crônico de quem está iniciando no instrumento; a tal "fome de arco".. Nesse aspecto as fitinhas realmente aceleram o processo de aprendizado.. :)

Estava conversando essa semana com minha profa. "se" porventura ela acha que as bases de quem aprende sem as fitinhas são mais solidas do que quem pratica com elas.. Diz ela que não, são apenas pequenos macetes que ajudam a acelerar todo o processo. Mas é imprescindível que depois de um tempo - quando o ouvido estiver treinado bem como adquirido a tal memória muscular em relação as posições - que retirem as fitinhas..

Por experiência própria. Quando tirei após alguns meses, me senti super inseguro por uns tempos bem como dava umas desafinadas medonhas... (Se bem que, cá entre nós, ainda desafino de maneiras bem medonhas... rsrs)

De qualquer modo foi só no início mesmo... :)

Chico Mouse disse...

Andreas: Hahaha! Brother, tb dou umas desafinadas MEDONHAS... rsrs

Cecil: Já vi que você é das antigas, hein? Haha! Mas eu realmente acho que é um bom "remédio para os impacientes", como você disse...

P.S.: vou mudar meu codinome pra "Moderninho" e ficar só causando polêmica aqui no blog.

Cecil disse...

Oi Chico,
não, não me considero "das antigas", eu inclusive apoiei o seu argumento e o uso de fitas, e tal. Só que su pofessora (não de cello, claro) e tenho que defender minha categoria de posições que podem ser meio exageradas às vezes. :)

Um abraço.

Chico Mouse disse...

P/ Cecil: É verdade, hahah! Desculpa! :)

Dydimo disse...

Muito bom o post Chico Mouse! Este final de semana terminei o primeiro livro do Suzuki para violino, eu era guitarrista, e resolvi gravar minha execução, pois desconfiei que estava entonando, quando confirmei isso foi terrível. Então descobri umas formas de se ouvir os harmônicos relacionado as cordas entre si. Acho que vou ter um baita trabalho pra treinar esse ouvido aqui. As fitinhas talvez não sejam uma má opção!

Alfredo disse...

Adoro este blog. Venho lendo-o paulatinamente.
Vou iniciar aulas de violoncelo e vou usar as fitinhas. Já está decidido.