segunda-feira, 20 de julho de 2009

Processos seletivos: sociedade hipócritamente sacana...


Eu tinha me esquecido como é ruim escrever alguma coisa no teclado de um Palm. Bom, o exercício deve servir para alguma coisa útil; e se não, ao menos manejar essa canetinha no touch-screen vai me garantir a habilidade de acertar uma mosca com um palito de dentes. Lembrarei-me desse detalhe no próximo verão.


Mas exercícios por exercícios, lhes digo que o que mais ando treinando ultimamente é a paciência. Haja! Muita!


Em épocas de crise financeira, sigo garimpando uma vaga em meu antigo ramo profissional; logística internacional e navegação marítima.


Este de fato não é o problema.


O problema são esses seres parasitários que estão situados estrategicamente entre você e uma vaga. Esses boçais petulantes de empresas de recursos humanos que querem medir sua capacidade de liderança através do que você é capaz de fazer com um clipe de papel, um palito de sorvete, um copinho plástico descartável e três bexigas.


Agora, após perder algumas horas do meu dia nessa brincadeira; não consigo deixar de lado uma péssima impressão de que mais uma vez, fui vítima de uma tremenda baboseira corporativa, picaretagem das mais cretinas. Os senhores; recrutadores de RH - especialmente os que agora adotam a imbecilmente importada petulante alcunha de "headhunters" - querem contratar um analista ou um MAcGyver corporativo?


A quem os senhores querem enganar? A empresa que contrata vossos serviços ou a nós candidatos, quando percebemos que o cidadão que está nos entrevistando é um sem noção ególatra perverso que se sente dotado de uma estupidamente falsa noção de “poder”; visto que precisamos de sua “pseudo aprovação” baseadas nas mais estapafúrdias teorias psicológicas do mundo psicanalítico-empresarial? Ah isso é ridículo!


Garanto Srs. entrevistadores, que o tal "balão" que montei com os já supracitados itens - e que de acordo com as vossas cartilhas de RH deve significar algo próximo a "visão estratégica para expansão de negócios" - não chega nem perto do divertido utensílio sadomasoquista que eu tinha em mente.


Aos nobres colegas que acompanham estas minhas explosões de bile e frustração de tempos em tempos - lhes dou uma valiosa dica: Ao lerem um anúncio de vaga em cujos requisitos esteja especificado "desejável pós-graduação. MBA será considerado diferencial"; fujam - ou se quiserem prestar um serviço a humanidade, levem uma granada no ato da entrevista. Sério, de repente assim eles possam interpretar tal ato como indício de pró-atividade.


Vejamos outros pontos bacanas da entrevista:


"Quais os últimos três livros que leu?"

- Resposta "oficial" - na ponta da lingua: "Budapeste", "O Menino do pijama listrado" e "Liderança em tempos de crise" (Porque é legal dizer que está antenado ás mudanças mercadológicas)

- Resposta "real" - já que não é da conta dos entrevistadores: "Goth Chic", "Radical desire" e "deus - uma ilusão". (Quando a este ultimo, de fato, eu gostaria mesmo era ler a imaginária 'colossal trilogia filosófica de Oolon Culluphid, "Onde Deus Errou", "Mais Alguns Grandes Erros de Deus" e "Quem É Esse Tal de Deus Afinal?!" citados em algum dos "O Guia do mochileiro das galáxias" - obviamente estes, nem preciso dizer que não podem ser mencionados de maneira alguma para um entrevistador, não?


Qual o seu hobby?

- Resposta "oficial" - esportes; gosto de futebol por causa da necessidade de estratégia e trabalho em equipe.

- Resposta "real" - músico. Se resolver arriscar a falar a real nesse ponto, jamais fale que é Violoncelista (porquê no mundo "negócios" isso é um mito) e tampouco seus gostos reais. (porque a toupeira que está te entrevistando possivelmente gosta de MPB, de preferência a famigerada série de CD's "O som do barzinho" em todos os seus 20 volumes, e julga quem gosta de musica pesada, como "perdido", Erudito como "chato" e Blues Jazz ou Prog; como potenciais alcoólatras. Em tempo. Acho o futebol, uma prova cabal da estupidez humana.


Fala um segundo idioma?

- Muito cuidado com esta: É importante que você fale Inglês. É legal que você arranhe o Espanhol - claro, outra imbecilidade sem tamanho, visto que falamos Português ora. No entanto eles vão desconfiar se você abrir o jogo e dizer que fala um terceiro Idioma. E nunca mais irão lhe chamar para outra entrevista, caso afirme dominar um quarto. (Pois provavelmente para eles apenas pós-MBA’s, diretores de multinacionais e oficiais do corpo diplomático governamental falam 4 ou mais idiomas.)


Porque você quer e porque acha que merece essa vaga?

- Provavelmente a pergunta mais hipócrita possível em um processo seletivo:

A resposta oficial e politicamente correta é; "porque procuro novos desafios em um ambiente competitivo saudável, que me propicie crescimento profissional e, conseqüentemente; satisfação pessoal.

A resposta real geralmente está entre algo do tipo: Porquê não agüento mais meu gerente, e quero ganhar mais dinheiro do que ganho atualmente. (E um dia quem sabe, ter o poder suficiente para despedir energúmenos que fazem perguntas iguais a esta que o Sr(a). acabou de me fazer)

Inclusive, obviamente excetuando-se esta última colocação que eu adoraria ter feito, a anterior já testei com um entrevistador tendo como resultado, um severo desconcerto por parte do mesmo.

Bom, sequer preciso mencionar o que aconteceu depois, não?


Mas... Só para terminar de foder com meu humor; a figura tinha que soltar "a pérola"...

- "Qual a sua relação com deus?"


Sinceramente... O que alguns ditos "'profissionais" esperam conseguir com uma pergunta dessas?



Possíveis respostas:

"Não vai."

"Não sei. Faz tempo que ele não desce"

"EU sou DEUS e você é fruto da minha imaginação. Aliás que merda eu estou fazendo aqui?"

"Uma bosta, já que ele te colocou para me entrevistar..."

"O filho da puta ta me sacaneando"

"Vamos encerrar a entrevista aqui pois tenho por regra de conduta ética e moral, não misturar religião em assuntos de ordem profissional" (O que de fato é bem real; jamais contrato empresas ou prestadores de serviços que colocam em seus cartões de visita citações religiosas de qualquer espécie.)


--------------------------


O ponto meus caros colegas; é que em épocas de hiperconectividade, é com uma certa tristeza conformista que percebo que as pessoas estão nivelando seu conhecimento "por baixo"; utilizando duvidosas credenciais acadêmicas como atestado de competência profissional e social; o que é uma enorme falácia. E, em um sentido diametralmente oposto a esse conhecimento pífio; o "ego" de tais cidadãos ditos profissionais carreiristas do empresariado brasileiro - e quem os seleciona - está em uma ascensão ridiculamente cretina.


As pessoas realmente crêem que o brasil evoluiu tanto assim nos últimos 10, 15 ou 20 anos?


Infelizmente, penso que a única coisa que de fato evoluiu aqui, foi o potencial para a picaretagem, bem como a capacidade de fazer os outros de palhaços; sem se dar conta que no fim, estão dando risadas de cima do mesmo monte de merda...


Ingênuos...


...e no fim ora bolas; eu idem, por ter escrito isso aqui ao invés de tentar matar uma mosca com um palito de dentes...


De saideira, lhes brindo com uma pérola da publicidade, um “episodio” de uma série de comerciais da Reebok protagonizado pelo jogador da NFL Terry Tate, conhecido como “Office Linebacker”, gravado e exibido em 2003. Hilário? Sim! Mas, não deixa de ser uma ácida critica ao mundo corporativo... E, acreditem; a coisa é ladeira abaixo...



Terry Tate Office Linebacker:


















6 comentários:

Bee disse...

Puxa...eu adorei este texto, incisivo, divertido e realista..rs
saudades de nossos bate papos de botequins e adjacências (nossa..viajei nesta palavra "a nível de " me suicidar? rsrs)
Bjs e continue escrevendo...seu caminho é este! Bjuu
PS Lembre de mim no seu primeiro livro publicado! rs

Bee disse...

Puxa...eu adorei este texto, incisivo, divertido e realista..rs
saudades de nossos bate papos de botequins e adjacências (nossa..viajei nesta palavra "a nível de " me suicidar? rsrs)
Bjs e continue escrevendo...seu caminho é este! Bjuu
PS Lembre de mim no seu primeiro livro publicado! rs

Flavio disse...

Muito bom o texto. Construção legal, cáustico e cômico.
Boa sorte!

Santa Cecilia disse...

Rá!
Essa foi uma das melhores postagens que eu já li na minha história de internauta e leitora de blogs. Sério. Ficou demais. Disse tudo o que eu sempre quis dizer. Foi completo. Explorou todas as facetas ridículas e cruéis da coisa toda.

Sempre pensei porque os tais "headhunters" (quanta idiotice... terem que criar um termo composto em inglês para algo que sempre existiu, provavelmente por causa de algum livro estúpido de auto-ajuda para executivos/administradores/psicólogos corporativos incompetentes) fazem o trabalho de selecionar alguém para uma posição para a qual eles próprios não estão qulificados? Na minha simples mente lógica de matemática vadia eu não concebo qualquer explicação razoável a não ser essa necessidade dos medíocres de quererem ser bons am alguma coisa e subir ao poder, o mais rápido que puderem, como mofo tomando conta de um quarto, já que eles não tẽm talento para ser outra coisa que não medíocre mofo. :/

Saudações pra você! Parabéns pelo inteligente e rabugentaço texto... :D

Andreas disse...

...vale dizer que sou alergico a mofo?? hahaha ;)

Thomas disse...

Aposto que depois de ler este post o pessoal de Recursos Humanos vai pensar duas vezes antes de te chamarem para entrevista. Vai saber se você não resolve levar uma granada?? huahuahuauha
Muito bom! Keep going!
Abrax!
Thomas