sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Repo! The Genetic Opera

Imagine pegar “Blade Runner”, “Sin City”, “The Rocky Horror Show” e “Moulin Rouge”. Agora, imagine adicionar cinquenta mil litros de sangue nisto. Coloque como ambiente, um futuro totalmente pós apocalíptico. E por fim, imagine jogar a famigerada Paris Hilton no meio, contracenando com a inusitada cantora Londrina Sarah Brightman.

...e tente transformar tudo isto se possível, em um musical.

Esta é a formula usada para preparar a base do filme “Repo! The Genetic Opera”, uma das coisas mais bizarras e alternativas que assisti nos últimos tempos.

Bizarro, pois é totalmente improvável a formula acima. Alternativo, pois apesar do primeiro “improvável”, o filme já nasceu com ares de algo cult. ...e até onde sei, será bastante difícil este troço passar em algum cinema aqui por estas bandas. E, diga-se de passagem, “que pena!”. Pois o que temos aqui, é um tremendo de um filmaço calcado no mais digno rock’n roll.

Dirigido pelo mesmo diretor de "Jogos Mortais", Darren Lynn; o filme é uma espécie de overdose sensorial. Já que o filme gira em torno de órgãos humanos, eu afirmo que o cérebro simplesmente não consegue absorver e compreender o filme de uma tacada só.

O enredo, interessantíssimo, traz um futuro em que ocorreu uma epidemia que gerou uma falência mundial de órgãos humanos. Neste futuro, surge a GeneCo, uma empresa especializada na fabricação de órgãos humanos artificiais. Até aí, tudo bem, claro. Só que, em um cenário pós apocalíptico, a ultima coisa que se espera da população é que todos tenham dinheiro para bancar tais órgãos, e é aí que a empresa eleva o termo “capitalismo” a um novo patamar: decidem alugar tais órgãos.

“Mas”, se por algum motivo o pagamento pelo aluguel é atrasado, eles enviam um “repo man”, ou seja, um agente de “reposse” de bens. Sabe quando você atrasa algumas mensalidade do leasing do seu carro e aí você é obrigado a arrumar formas estranhas de escondê-lo, tipo deixando-o estacionado na garagem de amigos, cobri-lo com uma lona na rua etc; porque o banco mandou alguém confiscá-lo? Pois bem. Agora, imagine você tendo que dar um jeito de “sumir do mapa” por causa de um destes agentes que está atrás de seu fígado, rim, coração, etc... Bizarro?

Bizarro é isto estar em um script de um musical...

E, meus caros, vocês ainda não viram nada... TORÇAM para esta bagaça sair nos cinemas por aqui... Pois Repo! é um filme especial. É um filme que nunca deveria ter sido, o filho totalmente bastardo de um estúdio, e apesar dos filmes que mencionei lá em cima; a verdade é que ele é tão dotado de características próprias que dificilmente é possível compará-lo a algo.

Achem vocês tal filme bom, ruim, péssimo ou até mesmo uma piada de mau gosto, ainda assim recomendo assisti-lo. Pois, no mínimo é garantido que você terá uma nova experiência cinematográfica, o que por si só, já e algo raro hoje em dia...



Trailer