sábado, 17 de janeiro de 2009

Improvisação no Cello... Dica



A improvisação em quase todos os instrumentos de origem e utilização notadamente mais clássicos como o caso do Cello, sempre foi bastante descuidado em conservatórios e escolar – para não dizer que muitas vezes, sequer é mencionado.


Mas afinal, qual é o problema?


Creio que muitas vezes, seja o conceito de que os músicos apreciadores deste gênero musical dito “sério” – como se os outros, não o fossem – são os únicos “autorizados” a compor material musical, e os intérpretes, devem ser meros reprodutores do mesmo.


Mas, se a gente observar um pouco a história da música, veremos que nem sempre a coisa toda foi assim: Por exemplo, Bach e Mozart também eram conhecidos como grandes improvisadores. Este fato, não ficou conhecido porquê simplesmente improvisavam; mas sim, porquê faziam-no muitíssimo bem!


A coisa ganha um contorno mais compreensível quando consideramos a musica como uma variação da linguagem.


A música, como a linguagem, basicamente são códigos baseados em sons, que são ordenados, e de acordo com a ordem dada a eles, ganham seu significado.


Quando uma criança aprende a falar, ela começa a repetir os sons dentro de um determinado contexto. E, dentro deste contexto, ela começa a associar os significados de cada som, com cada objeto, idéia ou experiência dentro do mundo que ela está explorando. Logo, com um repertório de 3 ou 5 palavras apenas, a criança já está começando a se comunicar dentro de outros contextos.


– O que está acontecendo? A criança, no final das contas, está apenas aprendendo a improvisar. E, logo, a medida que seu cérebro e sua mente se desenvolve, aprende mais e mais palavras, compreende a forma de sua gramática bem como seu uso correto, e começa-se a chegar perto do objetivo final; a comunicação.


Então, porquê dentro da pedagogia musical de conservatório, não se produz os “comunicadores”, e somente os “repetidores” de palavras sem significado? É como se a criança passasse por uma escola e aprendesse a falar com muitíssima habilidade e eficiência, e no entanto, só pudesse – ou fosse autorizado - fazer uso de tais faculdades através da leitura de discursos escritos.

Já vi casos de Cellistas experientes, capazes de tocar passagens totalmente possuídas demoniacamente falando; seres virtuosíssimos em sua técnica; se sentindo completamente vazios e indefesos ao tentar uma improvisação s
imples de algumas frases musicais. E, me soa bastante triste a incapacidade dos mesmos de enxergar isto como uma oportunidade de retornar à sua infância musical, isto é; a oportunidade de aprender “um novo idioma” além daquele no qual ele já é exímio executor – E, que por fim, irá lhe dar uma capacidade ainda maior de execução e sua própria expressão.


O que tem que se ficar claro, é que não existe uma técnica específica de se improvisar. Existe uma corrente de pensamentos que afirma que apenas no Jazz existe a improvisação; o que é um erro. O que ocorre é que dentro do Jazz, foi elevada a improvisação aos seus limites extremos.

Nos exemplos assim, é usado um estilo neutro, que pode ser associado a qualquer música devido à sua simplicidade.

Começa-se utilizando os Arpeggios, a melhor maneira de entrar em contato com a harmonia da seqüência a ser usada – Se bem que, não é necessária a utilização de uma base harmônica para improvisar.

Os Arpeggios serão tocados da seguinte forma, para o repasse e re-familiarização da técnica, visando assim o contato com a harmonia do instrumento:



Esta harmonia é bastante simples; uma seqüência diatônica dentro da tonalidade de C Maior. É bacana para quem tiver como, gravar ou sequenciar este compasso em qualquer estilo – apenas para se ter uma base mais divertida que um metrônomo, para se trabalhar.

A princípio, realiza-se o exercício lentamente, inclusive se desejar, em Pizzicato. Chegando-se ao final da seqüência, repete-se.

O passo seguinte, é tocar os Arpeggios não apenas em modo ascendente; mas também no descendente. Ou seja, ida e volta – C, E, G, C, G, E, C.


Próximo passo: Complicar mais um pouco as coisas:



Talvez já tenham percebido, mas a idéia de se realizar tais Arpeggios, é iniciá-los da sua forma inicia, e logo de sua terceira. Em C, começamos em C, após; E.

Em Am.; começamos em Am, C naturaral e, assim sucessivamente.

Esta, é uma das inúmeras dicas que podem ser seguidas para se começar a brincar com a improvisação; compreendido o que escrevi acima, experimentem partir das terceiras e irem diretamente para as quintas – Uma ajuda: Neste caso, em C, o primeiro compasso seria E, G, C, E – G, C, E, G.

Na verdade a sistemática toda é bastante fácil embora, exija-se um pouco de paciência, pois vão perceber que no final, trabalhar com música em forma livre, a improvisação se torna uma coisa um tanto quanto pentelha.

Caso queiram verificar se estão realmente entendendo qual é que é deste exercício, toque a linha a seguir fazendo exatamente o que foi feito no primeiro exercício. Isto é, na primeira nota teríamos (Ascendente): G, E, G, C, E.



Com isto, já se dar para ter uma idéia de onde queremos chegar... Se o que está escrito aí em cima for trabalhado de forma correta, terão gratas surpresas...

Agradecimentos pelos toques à Jennifer Spasamelli - Yale University






2 comentários:

Chico Mouse disse...

Muito bom, Andreas! Sinto da mesma forma. Lembro-me que quando estudava baixo elétrico, nenhum professor me ensinou a tocar uma pausa. "Tocar uma pausa?" Fiquei com isso na cabeça durante muito tempo e anos depois, tocando em bandas por aí, percebi que causava um efeito super bacana "sumir" da música em determinadas passagens ou simplesmente abafar as cordas com a mão esquerda, causando uma sonoridade meio percussiva...

Esse tipo de coisa, de botar a pessoa pra tentar coisas novas, deve ser ensinado principalmente nas crianças. Já vi pequenos virtuosos, mas que não conseguiam "se soltar"...

intelligence disse...

gucci purse
cheap gucci
cheap gucci
gucci wallets
prada